Anuais
2012
 Janeiro
Fevereiro  Março
Abril
Maio Junho Julho
Agosto
Setembro Outubro Novembro Dezembro

 

    No próximo dia 28 de novembro, será inaugurada a Biblioteca Escolar da Escola EB1 Prof. Abel Avelino e a Rede de Bibliotecas de Alpiarça. A cerimónia que terá início às 14h00, na Escola EB1 Prof. Abel Avelino, contará com a presença do Comissário do Plano Nacional de Leitura, Prof. Fernando Pinto do Amaral.

    Com a inauguração destes dois novos serviços, completa-se a Rede de Bibliotecas do concelho que passa a contar com três bibliotecas escolares. Estas oferecem recursos diversificados, apoiam as aprendizagens, contribuem para a inovação das práticas educativas, promovem a literacia da informação, tecnológica e digital e formam leitores críticos. A biblioteca que se inaugura conta com um espaço muito agradável, mobiliário adequado e com um fundo documental diversificado e atual e contribuirá seguramente para a melhoria do processo ensino-aprendizagem no Agrupamento. Simultaneamente, disponibiliza-se à comunidade alpiarcense o Portal da Rede de Bibliotecas de Alpiarça. Este espaço virtual pretende ser o ponto de confluência e de partilha das atividades de promoção da leitura a desenvolver a nível concelhio, e também o ponto de acesso ao catálogo coletivo, repositório de toda a informação bibliográfica existente nas bibliotecas da Rede.


Fotos do ato inaugural

O que posso fazer com um livro? pelos da Escola EB 2,3/S de José Relvas

Apresentação do Portal

Assinatura do Protocolo de Cooperação e Regulamento da Rede

A nossa contadora residente Goreti Meca, contou um conto a partir do livro "A árvore generosa"

 

Lançamento do livro Um Sopro de Carinho de Carlos L. Fonseca


Carlos Fonseca

Começou desde muito cedo a escrever.

Influenciado na escola por uma grande senhora, ao qual deve muito do gosto pela escrita, a Drª Mariana Viegas, da qual foi aluno de Português vários anos.

Aluno de Artes Visuais, desenvolveu nesta área a sensibilidade pela essência das coisas, não o formato em si.

Reformado do Exercito Português, devido a um acidente que o deixou em coma 34 dias, deixando-o com a parte esquerda do corpo paralisado.

Neste tempo e a partir daí, mudou completamente a maneira de ver o mundo, a vida e o que o rodeia.

Começou a valorizar cada instante de vida como sendo único.

Assim vê o Amor e os sentimentos, cada um é único.

Se em Artes aprendeu a desenhar o que o rodeia, depois do “Renascer” pós-acidente, aprendeu a desenhar sentimentos por palavras.

Desde sempre, escreve para uns “Olhos verdes” que “vê” na sua cabeça desde que se lembra, aliás, ainda hoje, esses olhos e o que eles representam, constituem o seu motivo para escrever.

Só muito recentemente, quando já tinha deixado de procurar, foi encontrado pela dona dos “olhos” que o acompanham desde sempre.

Como o próprio refere, não escreve “Poesia”, escreve apenas “Desabafos” de uma Alma Cansada, sofrida. Não lê o que escreve, não “pensa” o que escreve, escreve apenas o que “sente”.

Apresenta aqui o seu 1º Livro, ao fim de muitos poemas rasgados e mandados fora depois de os ler.

Carlos L. Fonseca


Chamam-me Poeta

Não, não sou poeta
Sou apenas um homem apaixonado
Habitante de emoções e sentimentos
Apaixonado pela vida
Apaixonado pelos meus filhos
Apaixonado por mim próprio
Apaixonado pelo que me rodeia
Apaixonado por tudo o que me envolve
Apaixonado por alguém que eu conheço desde sempre
Alguém que me faz sonhar
Alguém que me faz sentir que estou vivo
Alguém que me fez renascer a fome de amar
A necessidade de ser amado, desejado
Apenas um leigo que tenta colocar emoções por palavras
Um leigo que assustadoramente descobre que não conhece palavras
Palavras que traduzam com justiça o que me fazes sentir
Como me fazes sentir, quando te ouço, quando te vejo com os olhos
Porque com o coração, não te perco de vista nem um minuto
Hoje tenho pena, arrependo-me de não ter estudado mais
De não ter aprendido palavras suficientes para te descrever
Palavras para colocar por escrito o que significas para mim
Mas… sentimentos podem-se colocar por escrito??
Já foram inventadas as palavras que eu não conheço?
Já algum poeta as usou antes?
Já alguém ousou descrever-te como eu te sinto?
Nesta altura, aprendo, apenas não estudei na escola, aprendi na vida
Hoje tudo faz sentido, o que sorri, amei, chorei, antes de ti
Tudo foi apenas uma aprendizagem para te ver, sentir
Agora sei, dar-te o valor que tu mereces
Respeitar-te como nunca o foste antes
Amar-te como sempre o desejas-te
Desculpa-me por ser apenas um leigo…

Carlos Fonseca
14-12-2011


 

 


Para os pais e para os filhos.

"O País dos Contrários"

Quero apresentar-vos um gato. Chama-se Felini e acreditem, não se parece com nenhum outro.

É elegante e repleto de cores e adora cantar mas, nem tudo é perfeito.

Será possível um gato apaixonar-se por uma vaca?

   Nesta tarde de Sábados a Contar, não percam a história de amor mais triste que alguma vez foi escrita.

      Dia 24 de novembro, pelas 16h30 NÃO FALTEM!!

Baseado no livro  "Estranhões e Bizarrocos", de José Eduardo Agualusa, Dom Quixote, 2000
ISBN 972-20-1938-4


 

 © Copyright - Biblioteca Municipal de Alpiarça - 2012