Anuais
2010
 Janeiro
Fevereiro  Março
Abril
Maio Junho Julho
Agosto
Setembro Outubro Novembro Dezembro
             


Boletim do mês no formato PDF

 

Nasci em Lisboa em 1953. Vivi em S. João do Estoril, Lisboa, Queluz, desde 1992 que vivo em Alpiarça.

Profissionalmente, sou técnico de laboratório em microscopia electrónica.

Integrei o grupo de Teatro de Fantoches da Biblioteca Operária Oeirense nos anos oitenta.

Em 1984 realizei na Biblioteca Operária
Oeirense uma mostra individual de escultura.

Em Junho de 2007 participei na exposição colectiva de cerâmica, escultura, fotografia e pintura, na Galeria IF em Lisboa.

Em Setembro de 2009 realizei na B.O.O. uma exposição individual de fotografia.

Com esta exposição pretendo partilhar o meu olhar sobre a acção do tempo e dos elementos em várias superfícies.
Os Sinais do tempo, são as rugas dos materiais que nos rodeiam e resultam em matizes surpreendentes

Fotografias realizadas em 2008 e 2009
com uma câmara digital Olympus SP-510UZ.
Impressão em vinil plastificado mate
sobre placa de PVC.
Dimensão 80x60 cm.
Exemplares únicos.
Reservo o direito de reprodução das
imagens em publicação ou livro.


Inauguração da Exposição Fotográfica “Rugas do Tempo”, de Pedro Branco, na Biblioteca Municipal de Alpiarça

    A exposição “Rugas do Tempo”, com fotografias do artista Pedro Branco, foi inaugurada no dia 9 de Janeiro na Biblioteca Municipal de Alpiarça, na presença do fotógrafo e do Presidente da Câmara de Alpiarça, Mário Pereira, assim como do restante Executivo Municipal.

   Nascido em Lisboa mas residente em Alpiarça desde 1992, Pedro Branco documenta nestas fotografias as cicatrizes que resultam da pressão do tempo sobre as superfícies do nosso quotidiano, numa dialéctica em que nem sempre o tempo subjuga os materiais. Este confronto do tempo com o mundo resulta, quando transfigurado pela objectiva de Pedro Branco, numa veemência cromática que dá conta da intensa luta dos objectos com o que os anula e condena a uma quietude discreta. Portas, portões, paredes gastas pelo tempo ganham assim uma nova intensidade que as confunde com clarões, constelações e supernovas, reproduzindo à escala humana o mistério e os ritmos do universo.

    Com algumas exposições individuais de fotografia e escultura no currículo, o artista Pedro Branco apresenta-nos estas “Rugas do Tempo” numa exposição que estará patente até ao dia 30 de Janeiro no átrio da Biblioteca durante o seu horário de funcionamento.


 

 

 

 

 

 © Copyright - Biblioteca Municipal de Alpiarça - 2009